O que é a alfabetização multimodal?

O conceito compreende o uso de diversas tecnologias — como imagens, sons, fotos e ilustrações, além do texto — no processo de comunicação

Com o avanço das mídias digitais, a linguagem escrita vem dividindo espaço com outros símbolos utilizados na comunicação. Basta pensarmos no Whatsapp que, além do texto, permite o uso de imagens, sons, fotos, ilustrações e gráficos no processo comunicativo.

“A alfabetização multimodal compreende saber usar diversas mídias, linguagens e tecnologias, e a escola deve garantir que o aluno domine essas ferramentas de comunicação junto com a linguagem escrita”, diz a professora Cristina Tempesta, autora de Língua Portuguesa do Sistema Anglo de Ensino. Ela explica que o acesso dos alunos na utilização desses recursos multimodais está contemplado na Base Nacional Comum Curricular (BNCC).

“Anteriormente, se você precisava ir a uma loja, você telefonava e anotava o endereço. Hoje, você consulta os aplicativos de mapa e localização, fica sabendo como chegar, vê a rua e até uma foto do local”, exemplifica. Segundo ela, outra cena que nos mostra o avanço dos recursos multimodais é quando vemos uma criança pequena, “nativa multimodal”, que, muitas vezes, ainda não sabe falar direito, mas já sabe mexer no celular, atraída pela profusão de cores, sons, imagens, músicas, desenhos, enfim, pela infinidade de recursos. “Um aparelho celular é o melhor exemplo de ferramenta multimodal”, afirma a autora.

Para ela, nesse contexto, o maior desafio hoje está colocado para o professor, que não é um nativo multimodal, mas precisa alfabetizar a criança para utilizar esses recursos. Daí a importância de orientações nesse sentido, como as que integram o Manual do Professor do Sistema Anglo de Ensino.

No material do 1º e do 2º ano do Ensino Fundamental, por exemplo, já há indicações para que o professor use recursos digitais na sala de aula para que o aluno também seja estimulado a utilizar a linguagem multimodal. “Antes, aquela experiência de plantar o feijãozinho no algodão consistia apenas na observação e no registro do desenvolvimento do experimento por escrito. Agora, a orientação é filmar com o celular o processo e depois assistir a uma edição acelerada em 30 segundos”, compara. Outros exemplos dos recursos multimodais são as listas de emoticons. “A pessoa precisa saber ler para entender os códigos”.

A autora reforça, ainda, que a característica fundamental da linguagem multimodal é o uso de diferentes recursos para passar uma ideia que anteriormente estava restrita à linguagem escrita. Assim, usar o computador para ler um texto significaria apenas uma mudança de suporte, do papel para a tela, e não a introdução de um recurso multimodal. “Mas se uma história pode ser contada com música, vídeo, emoticons, palavras escritas, gráficos e números, aí sim estão sendo usados recursos multimodais”, finaliza.

Escreva um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *